» » » » Médico alerta sobre cuidados para evitar queimaduras no período junino


Em Pernambuco, por causa das festas de São João, o mês de junho tem o segundo maior índice de pessoas queimadas durante todo o ano, perdendo apenas para os feriados de fim de ano. O Hospital da Restauração (HR), na área central do Recife, é a principal referência no atendimento e, entre 2015 e 2016, registrou 23% de aumento no número de casos registrados. Uma série de cuidados pode ser tomada para evitar as queimaduras e brincar de forma saudável. Em 2015, foram registrados 51 casos de pessoas queimadas, levadas ao HR. No ano seguinte, o número subiu para 63. Os acidentes com fogueiras são o principal motivo das internações no HR, sendo que as crianças são as principais vítimas. Em 2016, dos 51 dos 63 casos, 40 foram crianças, das quais 21 tiveram que ser internadas na unidade hospitalar. Dos 23 adultos levados ao hospital, dez tiveram que ser internados. Chefe do setor de Queimados do Hospital da Restauração (HR), o cirurgião plástico Marcos Barretto, fez nesta segunda-feira (19) um alerta para os cuidados para evitar e tratar as queimaduras. Segundo ele, a cautela deve vir desde o acendimento das fogueiras, com atenção ainda maior para a presença de crianças próximo ao fogo. A principal orientação, em caso de queimaduras, é lavar o local atingido com água corrente. "As pessoas têm que entender que o que mais incomoda numa queimadura é a dor. Querendo se ver livre do incômodo, a pessoa tende a aplicar no ferimento qualquer coisa que cause alívio, o que, muitas vezes, é pior. Nada melhor que água corrente, durante 15 a 20 minutos, um pano limpo e úmido sobre a região afetada e a transferência para uma unidade de atendimento", disse. "Margarina, clara de ovo, manteiga e pasta de dente são produtos frios e, por isso, causam alívio, mas, para serem removidos da pele causam muita dor e, possivelmente, infecções", completou. Na montagem da fogueira, segundo Barretto, é preciso que crianças não estejam nas proximidades, principalmente durante o acendimento, que deve ser feito apenas por pessoas adultas que não tenham ingerido bebidas alcóolicas. "A fogueira não pode ter mais de um metro de altura e, na hora de pôr o fogo, deve-se fazer pela parte superior central da fogueira, para que as chamas não consumam a lateral ou o fundo e ela desmorone, podendo causar acidentes", explicou. Ainda segundo Barretto, após a queima, também é preciso ficar atento às brasas resultantes da fogueira. "Temos uma quantidade muito grande de crianças com queimaduras nos pés, porque pensam que, apagada, a fogueira não vai mais queimar", disse.

Fonte Globo.com
Postado por Júnior silva em Limoeiro (PE), segunda, junho 19/2017

«
Nex
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga